EuroTrip 2017: A Europa por João Vitor Perilo

Colunista Convidado: João Vitor Perilo

João Vitor, conhecido também por Nick é apaixonado por fotografias e por viagens. No mês passado ele esteve em longa temporada pela Europa.
E claro, o convidamos para contar sua experiência e dar preciosas dicas de lugares por onde passou e naturalmente, as fotografias foram tiradas por ele.

 

Bom… O que falar sobre viajar? Viciante, enriquecedor, algo único e para vida toda!  Bom… O que falar sobre viajar? Viciante, enriquecedor, algo único e para vida toda!

Todas as viagens são únicas, e essa minha última também foi. Diferente da primeira vez que fui à Europa (solteiro), nessa estava acompanhado de minha namorada (Ana Caroline). Muitos sabem que tenho uma madrinha (Lívia Baia) que mora na Suíça, mais precisamente em Zurich, portanto, Suíça está sempre nos meus roteiros. Em algum momento eu sempre vou até lá, e isso depende muito de onde eu chego/volto. Dessa vez montei meu roteiro de forma diferente, pois minhas passagens foram emitidas via programas de milhagens, chegando por Roma e voltando por Paris. Como consegui emitir um ano antes e para o mês de maio, comecei minhas pesquisas e fiz o roteiro. No mês de maio ainda é primavera na Europa, o frio ainda presente (bem pouco) e muitas flores e dias enormes, amanhecendo por volta das 5h:50m e escurecendo só depois das 21h:00.

Ao pesquisar o que tinha de interessante na Europa nessa época, vi que na Holanda estaria disponível a visitação ao parque das tulipas – “Keukenhof”-. Ele abre apenas uma vez ao ano com datas pré estipuladas. E claro, eu como filho de um casal apaixonado pela natureza, jardins e fotografia, e que cresci nesse meio, não poderia deixar essa oportunidade escapar. E para lá eu me organizei para ir. Na minha primeira vez cheguei por Lisboa e segui direto à para Suíça. Depois fui para França, sempre optando por trens. Mais conforto, não tem problemas com malas e você sempre chega no centro da cidade. Dessa vez não pude optar totalmente por trem, pois dois trechos eram longos. Tive, então, que ir de avião (senão não teria tempo hábil para visitar o parque das tulipas). Uma dica, leve pouca bagagem, você conseguirá voos baratos com as empresas “Lowcoast”. Como cheguei por Roma, optei por seguir para o norte do país até chegar a Milão, pois lá consegui os melhores voos para Amsterdã e que calhava com a logística do meu roteiro. Seria inviável seguir a rota inversa para o sul da Itália, mesmo porque também queríamos conhecer Veneza. Com dois aeroportos, Milão é a maior cidade da Itália e foi lá que consegui o melhor voo para Amsterdã.

Em Roma ficamos 3 dias, de lá fui a Florença, conhecida como a capital da toscana. Encontramos com a Thamila (daqui de Lagoa também), almoçamos juntos e turistamos um pouco. Foi ótimo encontrar com ela que atualmente estuda e mora em Florença. Em um dos dias que ficamos em Florença fizemos um famoso bate e volta. Fomos a Pisa (um sonho de infância), essa torre me marcou muito. Não tive oportunidade de ir a Lucca, pois gostei tanto de Pisa que optei por ficar o dia todo lá. De lá seguimos para Veneza, essa sim uma cidade inacreditável. A palavra inacreditável basta. De Veneza fomos a Milão e de lá partimos para Amsterdã. Choque de realidade. Não que a Itália seja ruim, mas é bem diferente. Bicicletas por todo lado, tudo organizado, todos bem vestidos e nada de tumultos grandes. Amsterdã é incrível, porém tudo muito mais caro e longe. De toda forma deu para aproveitar bastante, e sobre o parque, difícil falar. É surreal. Quero voltar!

Seguimos para Suíça, outro mundo. Não me canso de falar que por mais que o resto da Europa seja incrível, lá é mais. É um ponto fora da curva. Quem tiver a oportunidade de ir, recomendo. É muito mais caro, mas vale a pena. Ainda volto para ficar um mês inteiro, sempre que vou, o tempo que fico é pouco, ainda mais que parte da minha família está lá (tudo diferente com a família). Mas ficam as lembranças, não é?! Da Suíça, mais uma vez fui para Paris, de trem. Muito melhor e mais fácil. Recomendo comprar 3 meses antes, pois entre países tem muita variação, já dentro do próprio país, não. Na Itália fizemos toda de trem, muito fácil, só não pode esquecer de autenticar os tickets. O que falar de Paris? É mágica, não é atoa que o mundo todo quer conhecê-la e por muitos e muitos anos foi a cidade mais visitada do mundo. Dessa vez fiquei mais dias, e pude aproveitar muito mais. Na primeira vez não pude ir a “Versailles”, mas dessa vez foi programa certo. Fomos a muitos museus e pontos turísticos. Subimos a torre até o final e como os dias duravam muito mais, pudemos aproveitar mais ainda. Uma sorte que demos foi poder aproveitarmos uma exposição temporária no museu “D’orsay”, esse mesmo que fica em uma antiga estação de trem, incrível o lugar. Exposição tal que tinha famosas obras de Van Gogh, Picasso e Monet. Fomos ao Louvre também. Como não conhecer a famosa Monalisa?! (Decepciona, sim). Voltamos de avião num voo super tranquilo. Tudo certo com os voos emitidos por milhas, recomendo a todos. Pelo pouco que vejo, muitos não sabem usar os sistemas e estão perdendo muitas oportunidades.

Tentei resumir esse relato de viagem, mas com certeza não consegui. No entanto, ficaram muitas coisas na minha mente, lembranças e sentimentos que não cabem no papel. E assim sigo, rumo a mais uma viagem.

Obrigado, Merci e Grazie.

 

Leave a Reply