Por: Fabrício Azevedo

Nome dos pais: Sr. “Dico” e dona Therezinha
Idade: 71
Nome dos filhos: Tiago e Mateus
Nomes dos netos: André, Ana Flávia, Pedro e Mariana
Formação acadêmica: Curso superior em Geografia, pela PUC MINAS.
Foi casada com José Ulisses por 25 anos.

Maria Olívia de Castro e Oliveira

01 – Quais suas melhores lembranças da infância? As brincadeiras na Pracinha do Cruzeiro, andar em carro de boi.
02 – E qual uma lembrança ruim? Havia um senhor, acho que se chamava Sr. Eurico,  que construía caixões, embaixo de árvores, próximo à minha casa. Eu morria de medo!
03 – E sua adolescência, foi tranquila? Onde você viveu naquela época? Quem eram suas amigas no início da juventude? A maior parte de minha adolescência eu passei em internatos em Santo Antônio do Monte e Itapecerica. Foi tranquila e me lembro de vários amigos e alguns que ainda tenho fortes laços, como a Norma do Nestor, o Dr. Ney (irmão dela), a Vanda Azevedo, a Maria José da Isaltina. Tem vários outros, mas esses eram bem próximos.
04 – O primeiro namorico aconteceu com que idade? Creio que uns treze anos e foi com o Olegário. Foi mais uma brincadeira do que um namoro.
05 – Você perdeu um irmão, o Hélcio. Como foi lidar com esta perda? Eu era bem jovem e ele era quatro anos mais novo que eu. Foi difícil demais por todos os motivos. Meus pais ficaram desesperados. Eu estava com vinte anos e, de forma traumática, ele faleceu por acidente. O luto foi muito grande e durou muito tempo.
06 – Em que escolas você estudou e qual uma ótima lembrança de alguma delas? Em Lagoa estudei no Alexandre Bernardes Primo, em Santo Antônio do Monte, e me formei no Guadalupe. Depois a faculdade em Belo Horizonte. Me lembro que o internato foi muito difícil. Quando fiz faculdade eu já era casada. Sinceramente, eu era “muito levada” e pegava no pé dos colegas. Tenho várias ótimas lembranças, não há necessidade de especificar alguma.
07 – Quem foi sua professora do coração? É difícil. Tive várias e vários bem especiais.
08 – Qual foi seu primeiro trabalho? Fui professora noturna no Jacinto Campos. Era alfabetização de adultos. Entre meus alunos, estava o Mozart Alves, que infelizmente, faleceu há pouco tempo.
09 – Quando e porque você se despertou para o interesse em ingressar na política? Sempre tive influências de meu tio-padrinho José Vital. Creio que foi a partir da adolescência e isso acabou se consumando mais tarde.
10 – Quantos mandatos você exerceu como deputada estadual? Foram 4 mandatos consecutivos.
11 – Qual deles foi o melhor e porquê? Todos foram muito bons, mas creio que o primeiro possa ter sido o melhor porque o então governador Hélio Garcia era uma pessoa próxima e isso era favorável aos trabalhos legislativos.
12 – Quando e porquê decidiu abandonar a vida política? Acredito que eu cumpri um período na vida pública, mas continuei em outras atividades. Atualmente estou aposentada. E feliz da vida.
13 – Você influenciou seu filho, Thiago, a seguir na carreira política? Não. Foi opção somente dele.
14 – Como você se sente tendo um filho trilhando o seu caminho, e ao que consta, ele goza de  grande prestígio como deputado junto à ALMG, tendo, inclusive, sido incluído em uma lista como um dos mais influentes? Naturalmente me sinto orgulhosa. O Thiago tem se saído muito bem e com méritos exclusivos dele.
15 – O poder envaidece? Não. Eu estava preparada e sabia que ele seria passageiro. E é mesmo!
16- O poder isola? Não isola. Mas para quem não está preparado, ele pode subir à cabeça.
17 – O que é mais difícil quando se está no ofício legislativo estadual? As cobranças. São muitas e também por muitas vezes não temos como atender a todos. Inclusive são cobranças descabidas que não dizem respeito ao legislativo estadual.
18 – Se fosse para voltar no tempo, reviveria: A minha infância.
19 – Se fosse para voltar no tempo, mudaria: Mudar o passado seria difícil, porque poderia comprometer várias coisas boas do presente.
20 – Se fosse para avançar no tempo, por 10 anos, o que gostaria de ver? Um país melhor. Gostaria de ver a miséria da África diminuída ou acabada e claro, que essas guerras que estão por começar, terminem o mais rápido.
21 – Um prato que gosta e sabe preparar: Não sei fazer praticamente nada. Nunca fui de forte ligação com a cozinha.
22 – Um prato para saborear: Frutos do mar, apesar que estou com relativa alergia que tem me impedido de consumi-los conforme eu gostaria.
23 – Um restaurante em Lagoa e um em Belo horizonte? Em Lagoa, apesar de ter ido poucas vezes, gostei do “Parador da Figueira”. Em Belo Horizonte gosto do “Vecchio Sogno”, que para mim, é o melhor de BH.
24 – Para estressar, nada pior que: Muita conversa em meu redor. Hoje em dia, gosto bastante do silêncio.
25 – Para relaxar, nada melhor que: Viajar.
26 – Um lugar em Lagoa, um no Brasil e um no mundo: Em Lagoa, a Praça da Matriz. No Brasil, o pantanal. No mundo, Roma.
27 – Um lugar que te decepcionou, ou seja, que não gostou de ter ido? Milão. Foi uma cidade que me decepcionou.
28 – Medo de quê? Tenho um relativo medo de cachorros. Há muito tempo, fui atacada por um pastor alemão e até hoje tenho receio.
29 – O atual momento político do país é: Uma vergonha.
30 – Um ídolo: Madre Tereza de Calcutá e Nelson Mandela. No plano artístico, gosto muito dos Beatles.
31 – Uma frase ou um pensamento: É da Madre Teresa de Calcutá: “A pessoa mais perigosa é a mentirosa!”

Leave a Reply